Caminho de Peabiru no Brasil

Peabirus 10

O Caminho do Peabiru era uma extensa rede de passagens e trilhas, que interligava grupos e etnias indígenas do continente sul-americano, séculos, e até milênios, antes da colonização portuguesa e espanhola. A rede, um eixo de trânsito e intercâmbio fundamental entre as culturas índias da época, desde as tribos tupiniquins e guaranis do litoral atlântico até a região andina pré-incaica, formava uma via intercontinental. Foi usada, mais tarde, pelos descobridores e bandeirantes, como caminho pré-existente para a penetração no interior do continente, e, mais tarde ainda, para traçar o percurso de rodovias e ferrovias do Brasil moderno, pois em geral era o melhor trajeto possível do ponto de vista geográfico.

Um dos trechos mais importantes saía de Cananéia, cruzava transversalmente o estado de São Paulo, e seguia pelo continente rumo ao noroeste, pelo Paraguai e Bolívia, chegando até Cuzco, no Peru do então Império Inca.

Segundo afirmam alguns arqueólogos, a Estrada do Ariri, que passa ao lado do hotel, fazia parte desse ramal do antigo Caminho do Peabiru, que levaria até os Andes passando pelo Chaco paraguaio e boliviano.

Há agora um movimento crescente, no Vale do Ribeira e em vários municípios ao longo do percurso original, procurando revitalizar o Peabiru, do ponto de vista arqueológico e histórico, para relançá-lo, do ponto de vista turístico, de forma análoga ao que foi realizado com a Estrada Real, por exemplo. Nós mesmos aderimos à governança local do Peabiru, que pretende dar sua contribuição ao movimento de relançamento, e pressionar as autoridades públicas (estaduais e municipais), para que valorizem esse aspecto do passado continental.

A pesquisadora Rosana Bond lançou recentemente o segundo volume do seu livro, muito amplo e documentado, chamado História do Caminho de Peabiru. Historiadores e arqueólogos estão estudando achados arqueológicos, como a Pedra do Peabiru. Os raros trechos remanescentes são o ponto de partida para tentar reconstruir o percurso das partes que sumiram, varridas pelas artérias de transporte moderno, pela agricultura e pelo crescimento urbano do Brasil atual – sem falar do total descaso das autoridades e, até pouco tempo atrás, do mundo acadêmico, que costumava desprezar as manifestações das culturas pré-históricas aborígenes. Da mesma forma, no caso dos sambaquis, que só nos últimos vinte anos passaram a ser objeto de estudos, pesquisas e preservação, depois de séculos de abandono e destruição.

Fonte: Lagamar EcoHotel

Anúncios

Caminho de Peabiru

De Lá Pra Cá – 27/11/2011

http://youtu.be/7SojNJmu4NM

Peabiru 1

Antes da chegada de Cristovão Colombo e de Pedro Alvares Cabral na América, existia uma longa e misteriosa estrada, utilizada pelos indígenas, para interligar o Oceano Atlântico ao Pacífico. Ela passava pelas terras que hoje fazem parte do Brasil, do Paraguai, da Bolívia e do Peru; cortando matas, rios, pântanos e montanhas, num percurso de aproximadamente cinco mil quilômetros. Esta estrada se chamava “Caminho de Peabiru”.

O primeiro homem branco a registrar a existência dessa trilha foi o jesuíta Pedro Lozano, no início do século dezessete, no livro história da conquista do Paraguai, Rio da Prata e Tucumán. Os estudiosos se dividem em relação as suas origens e utilidades.

Participam deste De Lá Pra Cá: Mercio P. Gomes (antropólogo, realizou o estudo “O Caminho Brasileiro para a Cidadania Indígena”, do livro História da Cidadania), Rosana Bond (jornalista e pesquisadora, autora do livro “História do Caminho de Peabiru”), Igor Chmyz (arqueólogo, na década de 1970, coordenou uma equipe da Universidade Federal do Paraná, que identificou 30 quilômetros da trilha do Caminho de Peabiru) e José R. Bessa (professor da UNI-Rio/UERJ autor do livro “Aldeamentos Indígenas do Rio de Janeiro”).

 

 

Caminhos dos Peabirus

Livro

Os Peabirus (na língua tupi, “pe” – caminho; “abiru” – gramado amassado) são antigos caminhos, utilizados pelos indígenas sul-americanos desde muito antes do descobrimento pelos europeus, ligando o litoral ao interior do continente. A designação Caminho do Peabiru foi empregada pela primeira vez pelo jesuíta Pedro Lozano em sua obra “História da Conquista do Paraguai, Rio da Prata e Tucumán”, no início do século XVIII.

Vídeo do programa De Lá Pra Cá